alerta de cirrose

Alerta da Cirrose

Autor

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Pinterest

Tópicos do Post

Cirrose

Existe uma relação entre o consumo de álcool e a hepática? Você já ouviu falar dessa doença? No texto abaixo, você vai entender o que é a e qual sua relação com o consumo de bebidas alcoólicas.

Consumo de álcool na sociedade

Segundo a OMS, cerca de 43% da população mundial com mais de 15 anos consome álcool ou produtos que contenham essa substância. A ingestão de álcool, ao contrário de outras substâncias psicoativas, é aceita na sociedade, como é possível perceber em festas, baladas e outras reuniões sociais. Um exemplo disso é o resultado do III Levantamento Nacional sobre Uso de Drogas pela População Brasileira (2015), no qual foi evidenciado o consumo de álcool em cerca de 66,7% da população, incluindo crianças e adolescentes (CISA, 2021).

O quadro delineado acima é assustador, considerando que o álcool é responsável por 3 milhões de mortes ao ano no mundo, além de causar cerca de 5% da carga de doenças globais. São mais de 200 agravos à saúde que estão relacionados a essa substância, dentre as quais: transtornos mentais, doenças crônicas não transmissíveis como diabetes e hipertensão, o aumento no risco de doenças cardiovasculares e a  hepática (CISA, 2021).

O que é cirrose hepática? E quais os sintomas?

A cirrose hepática é uma doença que afeta o fígado. Ela pode ser causada por diversos fatores, dentre os quais gordura no fígado (esteatose hepática), infecção pelos vírus da hepatite B e C, doenças autoimunes, doenças metabólicas e abuso de álcool. Esse último é o principal fator que desencadeia a ocorrência de hepática. Essa enfermidade foi responsável por cerca de
2% das mortes no mundo em 2010 (PORTUGAL et al., 2015).

A cirrose é o estágio final de processos inflamatórios crônicos no fígado. Ao sofrer danos persistentes, há uma progressiva substituição do tecido vivo por “cicatrizes” (fibrose), o que pode ocasionar alterações na forma e função hepáticas (IBRAFIG, [s.d.]).

Inicialmente, as alterações são pequenas, sendo restritas a uma pequena diminuição do órgão, que pode ficar mais “áspero”. Nesse estágio (chamado de compensado), os sintomas são nenhum ou mínimos, podendo passar despercebidos pelo indivíduo. Porém, sem o diagnóstico e tratamento, a doença evolui e o fígado para de funcionar corretamente. Esse estágio é conhecido
como descompensado (IBRAFIG, [s.d.]).

Quais as consequências da cirrose? E o tratamento?

As consequências da cirrose são inúmeras. Uma das principais é a hipertensão portal, que pode ocasionar formação de varizes no esôfago e sangramentos digestivos.


É comum inchaço nas pernas, desnutrição, emagrecimento, olhos amarelados (icterícia) e cansaço. Outras consequências são resultantes da dificuldade de produção de algumas substâncias pelo fígado ou dificuldade de metabolização. Pode haver ascite (acúmulo de líquido na cavidade abdominal), além de problemas no sistema nervoso (encefalopatia hepática), decorrentes do acúmulo de resíduos tóxicos para o cérebro, lesões renais e diminuição da
resistência a bactérias (potencialmente levando a infecções).

A cirrose não tem cura, mas tem controle. O tratamento varia segundo cada pessoa, segundo o grau da doença, complicações adicionais etc. O acompanhamento de profissionais da saúde é essencial para que o tratamento seja feito de forma correta.

Alguns remédios podem ser prescritos para auxiliar no controle dos sintomas da. Praticar exercícios físicos (com profissionais qualificados) está relacionado a um melhor prognóstico da doença, assim como uma alimentação balanceada e que dê conta dos nutrientes necessários ao bom funcionamento do corpo, principalmente se considerarmos que os sintomas da  podem levar a problemas como desnutrição. Em último caso, o transplante de órgão é recomendado.

Para todos os casos, é importante que a ingestão de álcool seja interrompida, pois pode piorar o quadro da doença!

Como posso prevenir?

Para prevenir , algumas medidas podem ser realizadas:

● vacinar-se contra a hepatite
● evitar o compartilhamento de seringas e agulhas
● usar preservativo nas relações sexuais
● manter uma alimentação saudável
● evitar a ingestão de bebidas alcoólicas
● praticar exercícios físicos
● fazer acompanhamento médico

Além disso, uma das principais orientações é evitar a ingestão de bebidas alcoólicas. Porém, para muitas pessoas, isso pode ser difícil. Uma boa opção são as bebidas sem álcool, que podem ajudar na manutenção de um estilo de vida saudável sem tirar o prazer da alimentação. No Empório Sem Álcool, há diversos tipos e sabores para você aproveitar!

Referências

ANDRADE, Arthur Guerra de. Álcool e a Saúde dos Brasileiros: Panorama 2021. São Paulo: CISA, 2021.

BRASIL, Ministério da Saúde: Sistema Nacional de Saúde: Cirrose hepática.
Brasília, 2020. Disponível em: https://www.sns24.gov.pt/tema/doencas-gastrointestinais/cirrose-hepatica/. Acesso em: 23 nov. 2021.

IBRAFIG. Cirrose [s.d.s.l.]. Disponível em: https://tudosobrefigado.com.br/doencas-mais-comuns/cirrose/cartilha-cirrose/. Acesso em: 23 nov. 2021.

IBRAFIG. Nutrição na cirrose [s.d. s.l.]. Disponível em: https://tudosobrefigado.com.br/doencas-mais-comuns/cirrose/nutricao-na-cirrose/. Acesso em: 23 nov. 2021.

IBRAFIG. Atividade física na cirrose [s.d. s.l.]. Disponível em: https://tudosobrefigado.com.br/doencas-mais-comuns/cirrose/atividade-fisica-na-cirrose/ Acesso em: 23 nov. 2021.

PORTUGAL, Flávia Batista et al. Carga de doença no Brasil: um olhar sobre o álcool e a cirrose não viral. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2015, v. 20, n. 2. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/kNphYKgRDSQwtyY5MnjPL6v/?lang=pt Acesso em: 23 nov. 2021.